O que é Glicose no sangue

A glicose é um açúcar simples que serve como a principal fonte da energia para o corpo. Os carboidratos que nós comemos são quebrados na forma de glicose e de alguns outros açúcares simples, sendo absorvidos pelo intestino delgado e distribuídos por todo o corpo pela corrente sanguínea. A maioria das células do corpo necessita de glicose para a produção de energia; o cérebro e as células do sistema nervoso são as mais exigentes. Por isso medimos a glicose no sangue. O uso da glicose pelo corpo depende da disponibilidade de insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas. A insulina age transportando a glicose para dentro das células, estimulando o organismo a armazenar o excesso de glicose na forma de glicogênio (para o armazenamento a curto prazo) ou como triglicérides em células gordurosas. Os seres humanos não podem viver sem glicose ou insulina, e estas duas substâncias devem existir no organismo de forma balanceada. Normalmente, o nível de glicose no sangue eleva-se ligeiramente após uma refeição e a insulina é então secretada para abaixá-lo. A quantidade de insulina liberada é proporcional ao tamanho e à quantidade de açucares da refeição. Se a taxa de glicose no sangue ficar muito baixa, como pode ocorrer entre refeições ou após um exercício físico mais forte, o glucagon (um outro hormônio do pâncreas) é secretado na corrente sanguínea, para comunicar ao fígado para transformar parte do glicogênio armazenado em glicose novamente, elevando, assim, os níveis de glicose circulante. Se o mecanismo de feedback da glicose e da insulina estiver trabalhando corretamente, a quantidade de glicose no sangue permanecerá razoavelmente estável. Se o equilíbrio for rompido e os níveis de glicose no sangue se elevarem, o corpo tenta restaurar a estabilidade, aumentando a produção de insulina e excretando glicose pela urina. A hiperglicemia ou a hipoglicemia severas podem ameaçar a vida, causando falência de órgãos, danos no cérebro, levando ao coma, e em casos extremos, à morte. Os níveis crônicos elevados de glicose no sangue podem causar danos progressivos aos órgãos do corpo tais como rins, olhos, coração, vasos sanguíneos e nervos. A hipoglicemia crônica pode levar a danos no cérebro e nos nervos. Algumas mulheres podem desenvolver a hiperglicemia durante a gravidez e esta pode levar ao diabetes gestacional. Se não tratado pode fazer com que estas mães dêem a luz a bebês acima do peso e que podem ter níveis baixos de glicose no sangue. As mulheres que tiveram diabetes gestacional podem desenvolver, ou não, o diabetes futuramente. Por isso tudo é importante compreender o que é glicose no sangue, quais os niveis ideais ou taxa ideal, o que é glicemia, qual o normal da glicose, bem como controlar e baixar a glicose no sangue.

 

Saúde com Inteligência - Saude On Line


   Digite na caixa abaixo o que você procura:

Pesquise no Google

 
 
 
 

SAÚDE COM INTELIGÊNCIA - O SEU GUIA DE SAÚDE ON-LINE
 

 

GLICOSE NO SANGUE

Açúcar no sangue em torno de 90 decilitros por mg já preocupa e quando combinado com obesidade ou outros problemas deve ser motivo de alerta.

Níveis normais, porém próximos do limite superior podem ser um sinal de alerta para o aparecimento futuro do diabetes. O alerta vem de um grupo de pesquisadores israelenses que avaliaram mais de treze mil homens. O estudo foi realizado acompanhou membros das forças armadas israelenses com idades entre 26 e 45 anos.

Os dados comparados envolviam amostras de sangue, história familiar de diabetes, índice de massa corporal, atividade física, tabagismo e idade. Os níveis de glicose no sangue aceitos atualmente apontam para um limite máximo de 100 mg por decilitro, mas será que estar mais próximo ou mais longe desse limite se traduz em maior risco?


glicose no sangue
GLICOSE NO SANGUE

Após analisarem todas as variáveis do grupo e as compararem com o aparecimento de diabetes, os especialistas chegaram a algumas conclusões. Uma glicose de jejum acima de 87 se traduz em um risco aumentado para o desenvolvimento de diabetes no futuro, principalmente quando associado a outros fatores. Triglicerídeos altos, acima de 150, associados à glicemia de jejum acima de 91, indicam um risco oito vezes maior de ter diabetes mais tarde do que se a glicose estivesse abaixo de 87 e os triglicerídeos abaixo de 150.

O efeito combinado de um índice de massa corporal acima de 30 (caracterizando obesidade) e níveis de glicose de jejum acima de 91 também levam o risco a ser mais de oito vezes maior. A conclusão dos pesquisadores é que mesmo com níveis de glicose de jejum dentro do que se entende como normais, se esses estiverem altos, o risco do diabetes no futuro é maior.

Quando o corpo da pessoa está operando normalmente ele automaticamente checa os níveis de glicose no sangue. Se os níveis de glicose estiverem muito altos ou muito baixos, o corpo fará ajustes para que eles retornem ao normal. Quando a pessoa tem diabetes, o corpo não faz o trabalho de controle dos níveis de glicose automaticamente. Desta forma, diabéticos têm que checar o nível de glicose no sangue regularmente e ajustar o tratamento de acordo.

Como checar os níveis de glicose no sangue

Um médico pode medir os níveis de glicose no sangue durante uma consulta. Porém, os níveis de glicose mudam de hora para hora, e alguém que visita o médico no espaço de tempo de semanas não saberia seus níveis de glicose diários. Os testes caseiros de glicose permitem ao paciente checar os níveis de glicose diariamente.

Teste caseiro de urina para glicose

O teste de glicose caseiro mais fácil é o de urina. Quando os níveis de glicose no sangue sobem acima do normal, os rins eliminam o excesso na urina. Desta forma, glicose na urina reflete excesso de glicose no sangue.

Fazer o teste de urina para glicose é fácil. Tiras são mergulhadas na urina e a mudança de cor indica se o nível de glicose está alto. Porém, o teste de urina não é totalmente preciso porque reflete os níveis de glicose no sangue de algumas horas antes. Adicionalmente, os rins das pessoas não funcionam da mesma forma. Certos medicamentos e vitamina C também afetam a precisam do teste de urina para glicose.

Teste caseiro de sangue para glicose

É mais preciso testar a glicose no sangue diretamente. Existem kits que permitem pessoas com diabetes testarem os níveis de glicose do sangue em casa. O teste envolve picar um dedo para obter uma gota de sangue. Os kits fazem isso automaticamente. A gota de sangue é colocada numa tira de plástico especial ou dentro de uma pequena máquina que “lê” quanta glicose há no sangue.

O médico pode orientar a pessoa a fazer esse teste várias vezes por dia. O monitoramento por teste caseiro de sangue para glicose pode mostrar como o corpo responde a refeições, exercícios, estresse e tratamento.

Teste de hemoglobina glicosilada

Outro teste que mede a eficiência do tratamento é o de hemoglobina glicosilada. Ele mede a glicose que se ligou a hemoglobina, a molécula nas células vermelhas sanguíneas que dá ao sangue sua cor vermelha. Com o tempo, hemoglobina absorve glicose de acordo com a sua concentração no sangue. Uma vez que a glicose é absorvida pela hemoglobina, ela permanece lá até que a célula sanguínea morra e uma nova a substitua. Com teste de hemoglobina glicosilada o médico pode saber se os níveis de glicose no sangue estiveram muito altos durante os últimos meses.

Glicose no sangue: Saiba o que é glicose no sangue, niveis, taxa, qual o normal da glicose, como baixar a glicose no sangue.

 

 

 


 


  Digite na caixa abaixo o que você procura:

Pesquise no Google

 


Voltar a página inicial do Saúde com Inteligência.

 

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ACNE AFTA ALCOOLISMO ALOPECIA ALZHEIMER ARTERIOSCLEROSE ARTRITE ARTROSE BACTÉRIAS BELEZA BELEZA NATURAL BRONQUITE AGUDA BRONQUITE CRÔNICA BICO DE PAPAGAIO BROTOEJA BURSITE CABELOS CÁLCULO BILIAR CÁLCULO RENAL CALVÍCIE CÂNCER CELULITE COLESTEROL CÓLICAS MENSTRUAIS CÓLICA RENAL CORRIMENTO VAGINAL DIABETES DISFUNÇÃO ERÉTIL DENGUE DEPRESSÃO DOR DE GARGANTA EMAGRECIMENTO ENVELHECIMENTO PRECOCE ESPORÃO ESTRESSE ESCLEROSE MÚLTIPLA EXAME DE SANGUE EXAME DE URINA FARINGITE FEBRE FIBROMIALGIA FLATULÊNCIA FALTA DE MEMÓRIA GASTRITE GENGIVITE GLICOSE NO SANGUE GOTA GRIPE GUIA DO BEBE HIPERTENSÃO ARTERIAL HALITOSE HEMOGRAMA HEMORRÓIDAS HEPATITE HERPES HIPNOSE HIPOGLICEMIA HOMEOPATIA IMPOTÊNCIA INFECÇÃO INSÔNIA LARINGITE L-CARNITINA LEUCEMIA LEUCORRÉIA LÚPUS MAGNÉSIO MAL DE PARKINSON MASSAGEM MEMÓRIA MENOPAUSA MINERAIS NÁUSEA NEFRITE NEVRALGIA OSTEOPOROSE OSTEOARTROSE OBESIDADE OLIGOELEMENTOS PANCREATITE PÉ DIABÉTICO PEDRA NOS RINS PEDRA NA VESÍCULA PRESSÃO ALTA PREVENÇÃO DE DOENÇAS PRÍMULA QUEDA DE CABELO QUEIMADURAS QUEIXAS NA GRAVIDEZ RADICAIS LIVRES REJUVENESCIMENTO REUMATISMO SARAMPO SEMENTE DE CHIA SINUSITE SÍFILIS SOLUÇO SÓDIO E POTÁSSIO TENSÃO PRÉ-MENSTRUAL (TPM) TENDINITE TRIGLICERÍDEOS-TRIGLICÉRIDES TROMBOSE TUNEL DO CARPO ÚLCERA UNHA ENCRAVADA URETRITE URTICÁRIA VARICOCELE VARIZES VERMINOSE VERTIGEM VÍRUS ZONZEIRA ZUMBIDO NOS OUVIDOS

calculo renal  calculos renais  Pedra nos Rins  NQI funciona para tratar cálculo renal Cálculos Renal Cogumelo do Sol  NQI Pedra na Vesícula Artrite e Artrose 

nqi   suplementos   acne e espinhas www.jornaldasaude.com.br  www.cloretodemagnesiopa.com.br    www.listahotel.net  www.nqi.com.br  www.medicinaetratamentonatural.com.br  

Esta página e todas as informações contidas neste site são de propriedade SAÚDE COM INTELIGÊNCIA.

Referente a responsabilidade pelo uso das informações aqui contidas leia nosso DISCLAIMER.

Nenhuma parte deste website pode ser reproduzida sem a expressa autorização.
SAÚDE COM INTELIGÊNCIA - © 2007 -  2008 - 2009 - 2010 - 2011 - 2012 - Todos os direitos reservados.

 

O controle de açucar no sangue é muito importante. Saiba como controlar a glicose. Tudo o que você precisa saber sobre glicose no sangue.