ALCOOLISMO - Causas, sintomas, tratamento e cura

O termo alcoolismo corresponde ao consumo consistente e excessivo de bebidas alcoólicas ao ponto que este comportamento interfira com a vida pessoal, familiar, social ou profissional da pessoa. O alcoolismo pode potencialmente resultar em doenças psicológicas e fisiológicas, assim como, por fim, na morte. O alcoolismo é um dos problemas mundiais de uso de drogas que mais traz custos. Com exceção do tabagismo, o alcoolismo é mais custoso para os países do que todos os problemas de consumo de droga combinados. Neste artigo você vai encontrar as melhores informações sobre causas, sintomas, tratamento e cura do alcoolismo.

Apesar do abuso do álcool ser um pré-requisito para o que é definido como alcoolismo, o seu mecanismo biológico ainda é incerto. Para a maioria das pessoas, o consumo de álcool gera pouco ou nenhum risco de se tornar um vício. Outros fatores geralmente contribuem para que o uso de álcool se transforme em alcoolismo. Esses fatores podem incluir o ambiente social em que a pessoa vive, a saúde emocional e psíquica, e a predisposição genética.

 

Saúde com Inteligência - Saude On Line


   Digite na caixa abaixo o que você procura:

Pesquise no Google

 
 
 
 

SAÚDE COM INTELIGÊNCIA - O SEU GUIA DE SAÚDE ON-LINE
 

 

TUDO SOBRE ALCOOLISMO

Do ponto de vista médico, o alcoolismo é uma doença crônica, com aspectos comportamentais e socioeconômicos, caracterizada pelo consumo compulsivo de álcool, na qual o usuário se torna progressivamente tolerante à intoxicação produzida pela droga e desenvolve sinais e sintomas de abstinência, quando a mesma é retirada.

Sem desprezar a importância do ambiente no alcoolismo, há evidências claras de que alguns fatores genéticos aumentam o risco de contrair a doença. O alcoolismo tende a ocorrer com mais frequência em certas famílias, entre gêmeos idênticos (univitelinos), e mesmo em filhos biológicos de pais alcoólicos adotados por famílias de pessoas que não bebem. Estudos mostram que adolescentes abstêmios, filhos de pais alcoólicos, têm mais resistência aos efeitos do álcool do que jovens da mesma idade, cujos pais não abusam da droga. Muitos desses filhos de alcoólicos se recusam a beber para não seguir o exemplo de casa. Quando acompanhados por vários anos, porém, esses adolescentes apresentam maior probabilidade de abandonar a abstinência e tornarem-se dependentes. Filhos biológicos de pais alcoólicos criados por famílias adotivas têm mais dificuldade de abandonar a bebida do que alcoólicos que não têm história familiar de abuso da droga.

 

 

 

 

O que é alcoolismo?

O alcoolismo é uma doença onde há dependência do uso de álcool. O alcoólatra tem grande dificuldade de parar de beber, está sujeito aos mesmos riscos do abuso de álcool mas, como não consegue abandonar a bebida, apresenta muitas vezes uma deterioração na saúde, na família, no trabalho e no círculo de amizades.

O consumo de álcool em excesso acarreta a sérios problemas de saúde. Algumas doenças são agravadas com o aumento de álcool no sangue como: distúrbios renais, disfunções hepáticas (do fígado) o que leva à cirrose, além de complicações para aqueles que possuem tendência ao Diabetes, Hipertensão e Problemas Cardiovasculares.

O álcool é responsável além de diversas doenças, por grande parte dos atos de violência e acidentes dos mais variados, desde acidentes de trânsito até de trabalho.


Alcoolismo - causas, sintomas, tratamento e cura.
ENTENDA TUDO SOBRE O ALCOOLISMO

O alcoolismo é uma doença, um vício, devendo ser tratado como tal. Acredita-se que seja causado principalmente por predisposição genética, segundo achados mais recentes, e em menor parte pelo ambiente (mas as pesquisas e opiniões divergem muito sobre essa questão), não podendo ser considerado de modo algum falha de caráter. Mesmo sendo importante a quantidade do álcool ingerido, essa é uma consequência. Para definir uma pessoa como alcoólatra é mais significativo analisar o impacto do álcool na sua vida e se já tentou parar de consumir álcool e não conseguiu.

 

Tudo sobre o que é alcoolismo e o que causa.

CLIQUE AQUI PARA AMPLIAR A IMAGEM ACIMA


O álcool encontrado nas bebidas é o etanol, uma substância resultante da fermentação de elementos naturais. O álcool da aguardente vem da fermentação da cana-de-açúcar, e o da cerveja, da fermentação da cevada, por exemplo. Quando ingerido, o etanol é digerido no estômago e absorvido no intestino. Pela corrente sangüínea suas moléculas são levadas ao cérebro.

A longo prazo, o álcool prejudica todos os órgãos, em especial o fígado, que é responsável pela destruição das substâncias tóxicas ingeridas ou produzidas pelo corpo durante a digestão. Dessa forma, havendouma grande dosagem de álcool no sangue, o fígado sofre uma sobrecarga para metabolizá-lo. O álcool no organismo causa inflamações, que podem ser:

 

- gastrite, quando ocorre no estômago;

- hepatite alcoólica, no fígado;

- pancreatite, no pâncreas;

- neurite, nos nervos.



Os perigos do álcool

Apesar de ser aceito pela sociedade, o álcool oferece uma série de perigos tanto para quem o consome quanto para as pessoas que estão próximas. Grande parte dos acidentes de trânsito, arruaças, comportamentos anti-sociais, violência doméstica, ruptura de relacionamentos, problemas no trabalho, como alterações na percepção, reação e reflexos, aumentando a chance de acidentes de trabalho, são provenientes do abuso de álcool.


Sinais do alcoolismo

- Você já sentiu que deveria diminuir a bebida?

- As pessoas já o irritaram quando criticaram sua bebida?

- Você já se sentiu mal ou culpado a respeito de sua bebida?

- Você já tomou bebida alcóolica pela manhã para “aquecer” os nervos ou para se livrar de uma ressaca?

Apenas um “sim” sugere um possível problema. Em qualquer dos casos, é importante ir ao médico ou outro profissional da área de saúde, imediatamente, para discutir suas respostas. Eles podem ajudar a determinar se você tem ou não um problema com a bebida, e, se você tiver, poderão recomendar a melhor atitude a ser tomada.


Intoxicação Aguda causada pelo uso do álcool

O álcool cruza, com liberdade, a barreira protetora que separa o sangue do tecido cerebral. Poucos minutos depois de um drinque, sua concentração no cérebro já está praticamente igual à da circulação.

Em pessoas que não costumam beber, níveis sangüíneos de 50mg/dl a 150 mg/dl são suficientes para provocar sintomas. Esses, por sua vez, dependem diretamente da velocidade com a qual a droga é consumida, e são mais comuns quando a concentração de álcool está aumentando no sangue do que quando está caindo.

Os sintomas da intoxicação aguda são variados: euforia, perda das inibições sociais, comportamento expansivo (muitas vezes inadequado ao ambiente) e emotividade exagerada. Há quem desenvolva comportamento beligerante ou explosivamente agressivo.

Algumas pessoas não apresentam euforia, ao contrário, tornam-se sonolentas e entorpecidas, mesmo que tenham bebido moderadamente. Segundo as estatísticas, essas quase nunca desenvolvem alcoolismo crônico.

Com o aumento da concentração da droga na corrente sanguínea, a função do cerebelo começa a mostrar sinais de deterioração, provocando desequilíbrio, alteração da capacidade cognitiva, dificuldade crescente para a articulação da palavra, falta de coordenação motora, movimentos vagarosos ou irregulares dos olhos, visão dupla, rubor facial e taquicardia. O pensamento fica desconexo e a percepção da realidade se desorganiza.

Quando a ingestão de álcool não é interrompida surgem: letargia, diminuição da frequência das batidas do coração, queda da pressão arterial, depressão respiratória e vômitos, que podem ser eventualmente aspirados e chegar aos pulmões provocando pneumonia entre outros efeitos colaterais perigosos.

Em não-alcoólicos, quando a concentração de álcool no sangue chega à faixa de 300mg/dl a 400 mg/dL ocorre estupor e coma. Acima de 500 mg/dL, depressão respiratória, hipotensão e morte.


Metabolismo do álcool

O metabolismo no fígado remove de 90% a 98% da droga circulante. O resto é eliminado pelos rins, pulmões e pele.

Um adulto de 70kg consegue metabolizar de 5 a 10 gramas de álcool por hora. Como um drinque contém, em média, de 12 a 15 gramas, a droga acumula-se progressivamente no organismo, mesmo em quem bebe apenas um drinque por hora.

O álcool que cai na circulação sofre um processo químico chamado oxidação que o decompõe em gás carbônico (CO2) e água. Como nesse processo ocorre liberação de energia, os médicos recomendam evitar bebidas alcoólicas aos que desejam emagrecer, uma vez que cada grama de álcool ingerido produz 7,1 kcal, valor expressivo
diante das 8kcal por grama de gordura e das 4kcal por grama de açúcar ou proteína.

Usuários crônicos de álcool costumam nele obter 50% das calorias necessárias para o metabolismo. Por isso, frequentemente desenvolvem deficiências nutricionais de proteína e vitaminas do complexo B.


Tolerância e alcoolismo crônico

A resistência aos efeitos colaterais do álcool está diretamente associada ao desenvolvimento da tolerância e ao alcoolismo.

Horas depois da ingestão exagerada de álcool, embora a concentração da droga circulante ainda esteja muito alta, a bebedeira pode passar. Esse fenômeno é conhecido como tolerância aguda.

O tipo agudo é diferente da tolerância crônica do bebedor contumaz, que lhe permite manter aparência de sobriedade mesmo depois de ingerir quantidades elevadas da droga. Doses de álcool entre 400mg/dl e 500 mg/dl, que muitas vezes levam o bebedor ocasional ao coma ou à morte, podem ser suportadas com sintomas mínimos pelos usuários crônicos.

Diversos estudos demonstraram que as pessoas capazes de resistir ao efeito embriagante do álcool, estatisticamente, apresentam maior tendência a tornarem-se dependentes.


Síndrome do blackout e da abstinência no alcoolismo

Pode ocorrer em bebedores esporádicos ou crônicos e caracteriza-se por amnésia que pode durar horas, sem perda de consciência da realidade durante a crise. O blackout (ou apagamento) acontece porque o álcool interfere nos circuitos cerebrais encarregados de arquivar acontecimentos recentes. O quadro, de certa forma, lembra o perfil de memória das pessoas idosas, capazes de contar com detalhes histórias antigas, mas que não conseguem recordar o cardápio do almoço.

O álcool é uma droga depressora do Sistema Nervoso Central. Para contrabalançar esse efeito, o usuário crônico aumenta a atividade de certos circuitos de neurônios que se opõem à ação depressiva. Quando a droga é suspensa abruptamente, depois de longo período de uso, esses circuitos estimulatórios não encontram mais a ação depressora para equilibrá-los e surge, então, a síndrome de hiperexcitabilidade característica da abstinência.

Seus sintomas mais frequentes são: tremores, distúrbios de percepção, convulsões e delirium tremens.



Reconhecimento da dependência e reabilitação

O alcoolismo e seu tratamento.

Uma das características mais importantes do alcoolismo é a negação de sua existência por parte do usuário. Raros são aqueles que reconhecem o uso abusivo de bebidas, passo considerado essencial para livrarem-se da dependência.

As recomendações atuais para tratamento do alcoolismo, envolvem duas etapas:

a) Desintoxicação – Geralmente realizada por alguns dias sob supervisão médica, permite combater os efeitos agudos da retirada do álcool. Dados os altíssimos índices de recaídas, no entanto, o alcoolismo não é doença a ser tratada exclusivamente no âmbito da medicina convencional.

b) Reabilitação – Alcoólicos anônimos – Depois de controlados os sintomas agudos da crise de abstinência, os pacientes devem ser encaminhados para programas de reabilitação, cujo objetivo é ajudá-los a viver sem álcool na circulação sanguínea.

 

Para que o tratamento do alcoolismo tenha sucesso é fundamental a participação dos familiares e amigos próximos.

 

 

 

 

 

Leia também:

Alcoolismo na adolescência

 


  Digite na caixa abaixo o que você procura:

Pesquise no Google

 


Voltar a página inicial do Saúde com Inteligência.

 

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ACNE AFTA ALCOOLISMO ALOPECIA ALZHEIMER ARTERIOSCLEROSE ARTRITE ARTROSE BACTÉRIAS BELEZA BELEZA NATURAL BRONQUITE AGUDA BRONQUITE CRÔNICA BICO DE PAPAGAIO BROTOEJA BURSITE CABELOS CÁLCULO BILIAR CÁLCULO RENAL CALVÍCIE CÂNCER CELULITE COLESTEROL CÓLICAS MENSTRUAIS CÓLICA RENAL CORRIMENTO VAGINAL DIABETES DISFUNÇÃO ERÉTIL DENGUE DEPRESSÃO DOR DE GARGANTA EMAGRECIMENTO ENVELHECIMENTO PRECOCE ESPORÃO ESTRESSE ESCLEROSE MÚLTIPLA EXAME DE SANGUE EXAME DE URINA FARINGITE FEBRE FIBROMIALGIA FLATULÊNCIA FALTA DE MEMÓRIA GASTRITE GENGIVITE GLICOSE NO SANGUE GOTA GRIPE GUIA DO BEBE HIPERTENSÃO ARTERIAL HALITOSE HEMOGRAMA HEMORRÓIDAS HEPATITE HERPES HIPNOSE HIPOGLICEMIA HOMEOPATIA IMPOTÊNCIA INFECÇÃO INSÔNIA LARINGITE L-CARNITINA LEUCEMIA LEUCORRÉIA LÚPUS MAGNÉSIO MAL DE PARKINSON MASSAGEM MEMÓRIA MENOPAUSA MINERAIS NÁUSEA NEFRITE NEVRALGIA OSTEOPOROSE OSTEOARTROSE OBESIDADE OLIGOELEMENTOS PANCREATITE PÉ DIABÉTICO PEDRA NOS RINS PEDRA NA VESÍCULA PRESSÃO ALTA PREVENÇÃO DE DOENÇAS PRÍMULA QUEDA DE CABELO QUEIMADURAS QUEIXAS NA GRAVIDEZ RADICAIS LIVRES REJUVENESCIMENTO REUMATISMO SARAMPO SEMENTE DE CHIA SINUSITE SÍFILIS SOLUÇO SÓDIO E POTÁSSIO TENSÃO PRÉ-MENSTRUAL (TPM) TENDINITE TRIGLICERÍDEOS-TRIGLICÉRIDES TROMBOSE TUNEL DO CARPO ÚLCERA UNHA ENCRAVADA URETRITE URTICÁRIA VARICOCELE VARIZES VERMINOSE VERTIGEM VÍRUS ZONZEIRA ZUMBIDO NOS OUVIDOS

calculo renal  calculos renais  Pedra nos Rins  NQI funciona para tratar cálculo renal Cálculos Renal Cogumelo do Sol  NQI Pedra na Vesícula Artrite e Artrose 

nqi   suplementos   acne e espinhas www.jornaldasaude.com.br  www.cloretodemagnesiopa.com.br    www.listahotel.net  www.nqi.com.br  www.medicinaetratamentonatural.com.br  

Esta página e todas as informações contidas neste site são de propriedade SAÚDE COM INTELIGÊNCIA.

Referente a responsabilidade pelo uso das informações aqui contidas leia nosso DISCLAIMER.

Nenhuma parte deste website pode ser reproduzida sem a expressa autorização.
SAÚDE COM INTELIGÊNCIA - © 2007 -  2008 - 2009 - 2010 - 2011 - 2012 - Todos os direitos reservados.

 

Evitando o contato excessivo com o alcool e o abuso das bebidas você evita o Alcoolismo.